quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Tropa de Elite 2: O Inimigo Agora É Outro


(Página na Wikipedia sobre o filme e uma interessante notícia emitida pouco tempo depois da sua exibição.)

[Congresso Nacional, Supremo Tribunal Federal e Palácio da Presidência da República Federativa do Brasil como pano de fundo...]

Agora me responde uma coisa...
Quem você acha que sustenta tudo isso?
É... E custa caro. Muito caro.
O sistema é muito maior do que eu pensava.
Não é à toa que os traficantes, os policiais e os milicianos matam tanta gente nas favelas. Não é à toa que existem as favelas.
Não é à toa que acontece tanto escândalo em Brasília e que entra governo, sai governo e a corrupção continua.
Para mudar as coisas, vai demorar muito tempo.
O sistema é f**a.
Ainda vai morrer muito inocente...

sábado, 14 de janeiro de 2012

EUA poderão encenar falso ataque iraniano para justificar guerra

(Para quem tiver seguido este blogue desde o início, o que digo não deverá ser nenhuma novidade. Mas visto terem, entretanto, surgido mais alguns seguidores e porque, de qualquer modo, não quero deixar de mencionar aqui esta hipótese, nesta altura já óbvia para muita gente, aqui vai então este aviso...)

Se um qualquer "ataque" por parte do Irão aos EUA, que ocorra nesta altura certa, que mais convém ao Ocidente, for anunciado pelos média controlados - que, convenientemente, não irão mencionar todo o historial de "ataques de bandeira falsa" feitos pelo governo estadunidense, com o objectivo de providenciar um pretexto para iniciar guerras no passado - podem ter a certeza de que foram os próprios EUA ou Israel quem orquestrou tal ataque.
Os iranianos não são estúpidos e têm feito tudo para evitar este conflito. Não têm nada a ganhar em provocar o Ocidente, que os esmagará numa possível guerra.
O Ocidente, por seu lado, tem grandes interesses em que tal ataque, supostamente iraniano, ocorra, para, desta maneira, camuflar os seus ataques, e possível invasão, como sendo meras respostas e um exercício de autodefesa.
Ao que parece, o início de uma possível guerra poderá estar planeado só para daqui a uns meses, quando o Ocidente esteja preparado para o bloqueio do Estreito de Ormuz. (Será que até que se estabeleça efectiva e temporariamente o oleoduto de Abu Dhabi-Fujairah como um ponto de trânsito, que permitirá evitar que o petróleo oriundo do Golfo Pérsico passe por este estreito?) Mas ainda que sejam tomadas certas medidas e que não haja guerra, mas apenas sanções e consequente bloqueio do estreito, é de esperar que o preço do petróleo suba consideravelmente...
Entretanto, os EUA continuam a colocar tropas perto da fronteira iraniana e a tomar outras medidas de preparação para uma possível guerra.
Quem quiser ir estando a par dos últimos acontecimentos, pode ir consultando os sítios na Internet de Alex Jones, o sítio do Centro de Pesquisa sobre Globalização, o sítio da Press TV iraniana e o sítio da RT, que deverão contextualizar devidamente o que for acontecendo.

Ex-Israeli Intelligence Officer: “Pearl Harbor” Style Attack Will Be Pretext For War On Iran

Jerusalem Post article implies US will stage provocation to justify military assault

Paul Joseph Watson
PrisonPlanet.com
Friday, January 13, 2012

Former Israeli intelligence officer Avi Perry writes that a “surprise” Pearl Harbor-style Iranian attack on an American warship in the Persian Gulf will provide the pretext for the US to launch all-out warfare against Iran.

Given the fact that former Vice President Dick Cheney’s office openly considered staging a false flag attack on a US vessel in the Persian Gulf to blame it on Iran as a pretext for war, Perry’s summation of how “2012 will see to a new war,” cannot be taken lightly.

Under the headline ‘The looming war with Iran’, Perry writes:
Iran, just like Nazi Germany in the 1940s, will take the initiative and “help” the US president and the American public make up their mind by making the first move, by attacking a US aircraft carrier in the Persian Gulf.

The Iranian attack on an American military vessel will serve as a justification and a pretext for a retaliatory move by the US military against the Iranian regime. The target would not be Iran’s nuclear facilities. The US would retaliate by attacking Iran’s navy, their military installations, missile silos, airfields. The US would target Iran’s ability to retaliate, to close down the Strait of Hormuz. The US would then follow by targeting the regime itself.

Elimination of Iran’s nuclear facilities? Yes. This part would turn out to be the final act, the grand finale. It might have been the major target, had the US initiated the attack. However, under this “Pearl Harbor” scenario, in which Iran had launched a “surprise” attack on the US navy, the US would have the perfect rationalization to finish them off, to put an end to this ugly game.
Perry’s use of quotation marks around the word “surprise” comes across as a literary device to imply that the so-called “surprise” attack will not be a surprise at all.

Of course, the Pearl Harbor attack, which provided the pretext for America’s formal entry into World War Two, was not a “surprise” by any means, it was known well ahead of time.

Released Freedom of Information Act files prove that weeks before the December 7 attack by the Japanese, the United States Navy had intercepted eighty-three messages from Admiral Yamamoto which gave them details of precisely when and where the attack would take place.

It’s also completely nonsensical that Iran would actively seek to provide the world’s pre-eminent nuclear superpower with an easy excuse to justify an attack by deliberately targeting US warships in the Persian Gulf. Perry’s article seems to be a tongue-in-cheek admission that the US or Israel will manufacture such an attack.

This presumption need not delve into the murky realm of conspiracy theories – history tells us that fake naval attacks have been staged on numerous occasions to hoodwink the American people into supporting wars of aggression.

Remember the Maine? The battleship USS Maine blew up while it was stationed in Havana harbor in February 1898. Although a Navy investigation could not find the cause of the explosion, the American media, led by pioneer of “yellow journalism” William Randolph Hearst, immediately blamed Spanish saboteurs, whipping the public into a war fever.

When Hearst sent his reporter Frederick Remington to investigate, little of note could be established about the disaster. When Remington asked to be recalled, Hearst told him, “Please remain. You furnish the pictures, I’ll furnish the war.”

“Hundreds of editorials demanded that the Maine and American honor be avenged. Many Americans agreed. Soon a rallying cry could be heard everywhere — in the papers, on the streets, and in the halls of Congress: “Remember the Maine! To hell with Spain.”

As a result of an incident that many consider to either be an accident or a deliberate false flag attack by the US on its own ship, the US was at war with Spain within months.

Over 60 years later, another staged naval event, the Gulf of Tonkin incident, was used as a pretext for the United States to launch the Vietnam war.

President Johnson told the American public that North Vietnamese torpedo boats launched an “unprovoked attack” against a U.S. destroyer on “routine patrol” in the Tonkin Gulf. Leaked cables and recordings of White House telephone conversations later proved that the incident was completely manufactured, and that “our destroyers were just shooting at phantom targets — there were no PT boats there,” according to Navy squadron commander James Stockdale, who was flying over the scene that night.

There was almost a 21st century version mirror of the Gulf of Tonkin incident in January 2008, when the US government announced that it had been “moments” away from opening fire on a group of Iranian patrol boats in the Strait of Hormuz after the boats allegedly broadcast a warning that they were about to attack a US vessel.

The Iranian warning later turned out to be of dubious origin, but the incident led to a discussion in Vice-President Dick Cheney’s office about how to start a war with Iran by launching a false flag attack at sea, according to Pulitzer-Prize winning journalist Seymour Hersh.

The January 2008 Strait of Hormuz incident taught Cheney and other administration insiders that, “If you get the right incident, the American public will support it”. Hersh said: “There were a dozen ideas proffered about how to trigger a war. The one that interested me the most was why don’t we build, we in ‘our shipyard’, – build four or five boats that look like Iranian PT boats. Put Navy seals on them with a lot of arms. And next time one of our boats goes to the Straits of Hormuz, start a shoot-up. Might cost some lives”.

Given the dangerous nature of overlapping Iranian and US/Israeli naval drills set to take place in the same region at some point within the next two weeks, the potential for another staged incident at sea that will be exploited as a pretext for war remains a potent threat.

*********************

Paul Joseph Watson is the editor and writer for PrisonPlanet.com. He is the author of Order Out Of Chaos. Watson is also a regular fill-in host for The Alex Jones Show and Infowars Nightly News.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Lyndon LaRouche em 2008


(Palestra completa aqui e aqui. O sítio na Internet do Comité de Acção Política de Lyndon LaRouche é este.)

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

É agora ou nunca

Para que tenham todos verdadeira consciência do quão possível é uma guerra no futuro próximo, queria aqui deixar um acrescento à minha colocação anterior sobre este mesmo tema, consistindo esta última numa pequena série de chamadas de atenção que penso serem importantes fazer...
(A continuação do aviso que aqui deixo, para que se preparem como puderem para o que aí possa vir, é válida, não só para a presente situação no Médio Oriente, como para o futuro próximo, enquanto se mantiver a situação de tensão existente entre os EUA e a Rússia.)

Reparem em como, com o declínio que se observa já das economias ocidentais em geral, não é só a nível privado e familiar que começa a haver cada vez menos dinheiro, mas também (como saberão) a nível dos próprios Estados. E em como no dinheiro à disposição dos vários Estados está incluído, obviamente, também o dinheiro à disposição das suas várias Forças Armadas. As quais estão também já a ser alvo de cortes orçamentais. Querendo isto dizer que, daqui para a frente - e esta parte é mesmo muito importante - é também o poderio militar de todos os governos ocidentais que irá também entrar em declínio. Sendo claro que, nunca no futuro próximo ou longínquo, irão os EUA e restantes países da OTAN ser tão poderosos militarmente como são agora. O que faz com que este intervalo de tempo que estamos agora a atravessar, em que os vários países ocidentais estão ainda no seu auge, em termos de poderio militar, e têm ainda muito petróleo à sua disposição, seja a melhor oportunidade de sempre para conquistar quaisquer países que sejam. E se é dominar todo o mundo que querem, na parte que toca à intervenção militar, constitui este intervalo de tempo na nossa História simplesmente a melhor oportunidade que estes alguma vez irão ter para fazê-lo. Pois, daqui para a frente, irão as reservas energéticas à disposição dos vários países ocidentais entrar em sério declínio, enquanto os países exportadores de petróleo, como é o caso da Rússia - principal opositor dos planos de dominação mundial das elites ocidentais - irão cada vez menos exportar este precioso recurso e - com a cada vez maior quantidade relativa deste líquido que irão ter, comparativamente aos países ocidentais - irão gradual e rapidamente ganhar uma séria vantagem militar, e não só, relativamente ao Ocidente, à medida que este último - cujas fontes deste recurso são essencialmente os estados, por enquanto vassalos, do Médio Oriente - for tendo cada vez menos petróleo à sua disposição.
Por outras palavras, a quererem os nossos governos invadir ainda mais países estrangeiros, constitui este pequeno intervalo de tempo, correspondente aos anos em que ainda estamos, em termos de oferta mundial, no chamado Pico do Petróleo, a melhor oportunidade histórica para fazê-lo. Tornando-se uma aventura militar deste tipo cada vez menos provável daqui para a frente, devido aos cada vez maiores custos e dificuldades em fazê-lo, derivados da cada vez maior escassez de petróleo, essencial para qualquer esforço de guerra.
Tudo isto para dizer que, se alguma vez estivemos, ou estivermos, seriamente perto de uma guerra, possivelmente nuclear e a nível mundial ou "apenas" de mais uma guerra no Médio Oriente, esta é simplesmente a altura em que considero ser mais provável tal acontecer.
Se irá ou não haver guerra, como disse, não sei... Só os loucos que nos governam é que o saberão.
A única coisa que posso fazer é alertar-vos, mais uma vez, para que estejam, como puderem, preparados para quaisquer repercussões que possam acontecer em consequência de tudo isto e, se é um futuro que querem ter, aconselhar-vos a que pressionem os vossos governos para que deixem o Irão e restante Médio Oriente em Paz e não façam uma coisa destas.
Para complementar o que aqui disse na minha colocação anterior, sobre precauções que possam querer tomar, queria também aqui deixar um outro importante documento, emitido pelo governo português no passado recente, inserido na mesma campanha que mencionei.
E, já agora, aqui vão também alguns desenvolvimentos recentes, da situação no Médio Oriente:

domingo, 1 de janeiro de 2012

2012: Irá acontecer alguma coisa?



A notícia acima colocada, terá sido emitida em Janeiro de 2010, na mesma altura em que foi emitido, nos EUA, o 7º e último episódio da 1ª temporada da série de documentários Conspiracy Theory with Jesse Ventura, intitulado Apocalypse 2012.
Na altura em que vi este episódio fiquei muito preocupado. Pois este mostra filmagens de trabalhos de construção, que não deixam dúvidas de que estão, de facto, a ser construídas várias obras subterrâneas, em preparação para algo que possivelmente aí venha. Mas... O que será esse "algo"?
O documentário e a notícia sugerem que será uma tempestade electromagnética - que irá haver este ano, causada por uma invulgarmente intensa actividade solar - que irá causar estragos nas redes eléctricas no hemisfério norte. No entanto, só nos EUA é que isto tem sido noticiado. E por cá, na Europa, que eu saiba, pouco ou nada se tem falado disto...
Será então mesmo verdade o que é dito e noticiado como explicação para tais preparações?
Na altura em que vi o documentário, cheguei a pensar que tais construções poderiam ser uma preparação para o pior cenário possível em que poderia acabar todo este Colapso económico, que estamos agora já a viver. Em que, em consequência de uma destruição planeada da economia que lhes fuja ao controlo, as elites e seus lacaios se estivessem a preparar para possivelmente se refugiar em aldeias subterrâneas, para aí fugir ao caos que tinham criado e esperar que as coisas acalmassem, antes de voltarem à superfície e reinar sobre o que quer que tivesse sobrado. ;) eheh
Olhando para trás, este é agora um cenário que me faz rir. Pois parece-me demasiado irrealista. (Se bem que, imprevisível como é o futuro e não planeada como é a nossa economia, não descarto nada - tal como quem nos controla a todos no topo - a possibilidade de tudo isto entrar num cenário caótico ou semi-caótico...) Mas se isto soa irrealista, porque razão estão então a ser construídos tais refúgios subterrâneos?
Sabendo agora de mais algumas coisas sobre as quais entretanto me informei e reflectindo um pouco mais sobre este assunto, penso que, agora sim, já terei acertado e identificado aquela que será, para mim, e creio que para muita gente, a explicação mais provável para todas estas preparações.
Para quem tiver seguido o meu conselho e tiver começado a consultar regularmente, entre outros, o sítio na Internet de Daniel Estulin, a explicação que a seguir apresento fará todo o sentido.

Guerra nuclear com a Rússia

Quem estiver bem informado sobre a actual situação geopolítica mundial, saberá que a chamada Guerra Fria, não só nunca terminou, como tem vindo a "aquecer" ultimamente. E a confirmá-lo está a recente inquietante declaração (cliquem nas legendas) por parte do Presidente russo de que o seu governo colocou, como resposta à construção de sistemas de defesa antimíssil na Europa, o seu país em alerta contra a possibilidade de um ataque ocidental.
Quem tiver lido o texto original da declaração mais recente que Daniel Estulin fez no Parlamento Europeu, terá lido as palavras "we are facing a global, thermonuclear World War III". Quem tiver ouvido esta entrevista dele à RT, saberá também que os EUA estão a construir bases militares secretas no Afeganistão, em preparação para uma possível guerra nuclear com a Rússia. E numa declaração de emergência feita por Lyndon LaRouche, há uma semana atrás, o termo é, mais uma vez, "guerra termonuclear".
Se têm consultado regularmente os sítios de notícias sobre a actualidade que recomendo, saberão agora também que o gigante russo está de novo a agitar-se. E que também a própria Rússia está a construir abrigos que - tal como os que estão a ser construídos nos EUA e que são falados no documentário de Jesse Ventura - deverão ser terminados este ano.
Mas com uma grande diferença, isto é...
Enquanto que, na Rússia, a preocupação do governo é tentar proteger todos os seus cidadãos, e salvá-los de uma possível catástrofe, no Ocidente é o habitual "proteger sim, mas só as elites". E as outras pessoas que se amanhem... (Neste caso, literalmente morram, e em grande número. Muitas delas, provavelmente, sem nunca saberem sequer porquê...)
Por tudo isto, fico preocupado quando vejo vídeos como o que se segue, a avisar as pessoas para que se preparem para uma possível catástrofe.



E interrogo-me sobre se as elites que nos governam serão mesmo loucas, ou não, ao ponto de iniciar, de facto, uma guerra de natureza nunca vista neste planeta e causar uma megacatástrofe, que uma boa parte do Mundo atingirá...
(Será um conhecido filme de Hollywood, cujo título corresponde a este ano que se inicia, alguma peça de propaganda, já para mentalizar inconscientemente as pessoas para algo catastrófico que aí possa vir?...)
Se irá haver ou não um conflito armado, em grande escala, entre os EUA e a Rússia este ano, não me parece muito provável. Mas o que é certo é que ambos os países estão a tomar medidas para se prepararem, a partir deste ano, para o que de pior possa acontecer como evolução do conflito que está já a ocorrer, por enquanto, de modo mais contido, a nível diplomático e em pequena escala.

Irão

Outra coisa à qual deverão prestar muita atenção é a crescente intromissão ocidental no desenvolvimento industrial do Irão, às correspondentes declarações falsas sobre este mesmo assunto e ao conflito diplomático, e não só, que tem ocorrido. Em que as potências ocidentais, detentoras de armas nucleares e com um longo e recente registo de invasões a países estrangeiros se arrogam ao direito de proibir os outros países de se desenvolver industrialmente, ou mesmo de ter armas nucleares - o que não é o caso, e, ainda que fosse, a ser um direito, deverá ser igual para todos - com a desculpa de que estes últimos - e não os primeiros - representam um perigo para os outros países...
Depois de alguma relutância, por parte de quem participou na reunião de Bilderberg de 2005, em invadir o Irão, parece que agora, pelo que é dado a entender pela imprensa (e depois de duas declarações interessantes - [1] [2] - por parte do governo iraniano e de uma correspondente resposta ridícula estadunidense) não haverão tantos entraves a que tal aconteça e que está este país do Médio Oriente, rico em petróleo, de novo sob a mira do Ocidente.
Irão os países ocidentais tentar invadir o Irão e, com isto, envolver todo o Médio Oriente, e não só, numa guerra, possivelmente nuclear?
Não sei... Não possuo a capacidade de prever, com certeza, o futuro.
No entanto, o que posso fazer é chamar a atenção para algo em que reparei e deixar aqui algumas informações, pouco conhecidas, para que possam vocês enfrentar, como puderem, o que quer que aí venha.

Conselhos

Coincidência ou não, quando o conflito diplomático com o Irão começou de novo a aquecer, há dois anos atrás, o governo português emitiu o seguinte aviso - [hiperligação]. E o governo iraniano já tem avisado que, a haver uma invasão do seu país - e, agora, também como resposta a possíveis sanções - uma das primeiras retaliações será o bloqueio do Estreito de Ormuz, onde passa cerca de 1/3 do tráfego marítimo petroleiro mundial.
Para as elites, será mais uma maneira de preservar algumas reservas energéticas para si. Para nós, será, muito possivelmente, no mínimo, uma repetição do que por cá se viu aquando da greve dos camionistas de 2008, em que eu próprio vi prateleiras quase vazias no supermercado.
Por esta razão, é possível que voltem a haver interrupções na distribuição de comida. Por isso, talvez queiram dar uma olhadela neste documento que foi produzido pelo governo português. (Sobre a comida, posso aqui deixar a dica de que as lojas Decathlon vendem comida desidratada que, tal como as conservas, dura anos. Se não precisarem de recorrer a esta comida, apenas têm de a ir comendo ao longo dos anos que faltam para expirar a sua validade.)
Independentemente de haver, ou não, guerra, ou guerras, no futuro próximo, o que é certo é que todo este Colapso económico só irá agravar-se daqui em diante. E que existe sempre o sério risco de um descalabro financeiro.
E, a propósito de crise financeira, não quero deixar de chamar a atenção para mais alguns factos e deixar então aqui também mais alguns conselhos.
Depois de ter já parcialmente avisado as pessoas disto em 2010, Daniel Estulin veio, de novo, avisar os seus leitores de que todo o sistema bancário ocidental está, pelo menos em boa parte, em Colapso. E que o melhor para todos é não terem dinheiro nos bancos. (Reparem: como os governos e as pessoas não conseguem pagar as suas dívidas, causando enormes perdas de dinheiro por parte destas instituições; o quão difícil é, hoje em dia, conseguir um empréstimo da parte destes; no afundamento do valor destes no mercado; e em como há até bancos que se recusam a encerrar as contas das pessoas, quando estas últimas o tentam fazer.)
Quem duvide da credibilidade de Daniel Estulin, pode ver esta mesma entrevista, já referenciada nesta colocação, feita a ele no início de 2008, em que este avisou - e acertou em cheio - que a actual crise económica iria ter início no final desse ano, quando o barril de petróleo atingisse os 150 dólares.
Para além disto, têm sido feitas enormes criações de dinheiro, supostamente para tentar resgatar estes mesmos bancos. E o que a criação de dinheiro sempre provoca é inflação. Neste caso, tratando-se de somas tão elevadas, possivelmente hiperinflação. O que, a acontecer, fará com que o dinheiro que vocês tenham passe a valer apenas uma fracção do que anteriormente valia. Sendo, por isso, talvez melhor converterem o dinheiro que tenham a mais em bens que mantenham o seu valor.
O que muita gente - que avisou, anos antes, do Colapso económico que estamos agora a viver - está a fazer, e a aconselhar os outros a fazer, é comprar ouro. Visto este ser um metal precioso que, independentemente das crises económicas, em 6 mil anos de História, sempre foi aceite como moeda de troca. E que deverá manter o seu valor, enquanto que as diferentes moedas, com o pior que ainda está para vir, deverão sofrer grandes perdas no seu valor. (Já repararam na quantidade de lojas que têm abrido, que se dedicam à compra de ouro? E no valor histórico que este metal precioso tem vindo a atingir nos últimos anos?)
Outra coisa que penso que toda a gente devia seriamente considerar é, devido à crescente onda de criminalidade, quem sinta necessidade de tal, arranjar uma arma de defesa pessoal. ("Mais vale prevenir que remediar...")
São estes os conselhos que me lembro de fazer, para além do conselho que aqui já deixei de que estejam preparados, como puderem, para possíveis interrupções na distribuição de comida.
Tomem precauções, ou encarem antes tudo isto como paranóia, se quiserem... (Eu sei que não sou o único a falar disto.)
Mas lembrem-se que também trancam sempre as portas de casa à noite. E não é por pensarem que nesse dia irão ser assaltados...